Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Medo de esquecer

Descobri que tenho medo de esquecer. O esquecimento é o esvaziamento. Desejo lembrar para possuir algo. O esquecido não me pertence. Sou dono apenas das minhas lembranças.
Na tentativa de me lembrar de tudo, crio formas de registrar os acontecimentos. Penso que com isso, me manterei dono daquilo que me lembro. Mas me esqueço que é impossível me lembrar de tudo e ao me apegar a algumas lembranças, acabo me fechando para novos conhecimentos. Lembrar acaba sendo sinônimo de limitação.
A cada dia, acontecimentos novos me trazem novas lembranças. É necessário desapegar das lembranças antigas para dar lugar as lembranças novas e deixar me tornar um novo Fernando.
Não posso deixar que o Fernando se torne uma estátua, mas que ele seja uma planta que se renova a cada dia. As folhas velhas murcham e dão lugar a novas.
É claro que deve haver um equilíbrio entre aquilo que deve ser lembrado e aquilo que deve ser esquecido. Nem tudo pode acabar no esquecimento, mas algumas lembranças antigas devem ser descartadas para que eu possa seguir em frente.

Um comentário:

  1. "Me lembro que é impossivel me lembrar de tudo".. aí que está a magia de todos os acontecimentos em nossa vida.

    Eu sou muito esquecida. Já tive amizades recuperadas após alguns anos pois não me lembrei do motivo que me levou a desfazer dela... por um lado é bom. por outro não.

    Na minha opinião, prefiro ser esquecida, assim não guardo magoas e nem coisas ruins levando apenas as coisas boas de tudo.. mesmo que nao me lembre delas... kkkk

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!