Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Tristeza Mortal e Resposta de Clarice


O seu dia foi realmente triste. À noite não se conteve e precisava desabar. O meio utilizado foi postagens no facebook. Começou a escrever sem parar coisas que aparentemente não tinham sentido.

As pessoas não irão entender nada e também não quero que entendam nesse momento a respeito de tudo.
Hoje é quinta-feira, 21. Não imaginava que numa quinta-feira, 21 de maio de 2015 recebesse a notícia mais triste de minha vida. 
Estranho é que nada aconteceu comigo diretamente. Mas posso dizer que sou uma vítima de determinados fatos. Hoje, não tenho dúvidas de que a vida de outras pessoas podem realmente mudar a nossa. Não precisamos fazer nada de errado para sofrer. Um erro alheio pode ser a causa da destruição de muitos. E no caso, eu me sinto destruído.


Realmente,  sentia seu coração destruído e continuou o seu desabafo.

Quinta-feira, 21. Essa data será um marco em minha vida. Uma experiência de tristeza quase que mortal. Não creio que seja depressão, pois para mim, a depressão é uma doença por se tratar de uma tristeza sem motivo. Depressivo é o quem se sente triste sem razão.
A minha tristeza é plenamente justificável. Não encontro armas para lutar contra ela, porque o ataque não foi dirigido a minha pessoa. Apenas contemplo situações de tristeza na vida de outros. É tão estranho como tudo isso me afeta. Não recebi o soco do boxeador e também não posso me defender de socos não recebidos. Como tudo é tão estranho!

Ele não fora atacado diretamente, mas sentia compaixão por aqueles que receberam um duro golpe. Imaginava o que as pessoas estavam achando de seus posts. Ficou um tanto preocupado com certos julgamentos, mas mesmo assim resolveu continuar.

Algumas vezes, as pessoas dizem para não nos sentirmos destruídos. Não sei ao certo se lutar contra esse sentimento é o correto. Talvez me deixar ser afundado no abismo seja a melhor solução. Encarar os problemas de fato seja o caminho. Preciso morrer para reviver.
Ao escrever cada linha, imagino as pessoas lendo e me julgando sem entender de fato. Que pensamentos será que passam na cabeça delas.
Fico me interrogando também se devo me preocupar com que elas pensam. É bonito dizer que não me importo sobre aquilo que irão dizer sobre mim. É maravilhoso falar que não ligo para o que as pessoas fazem. É magnífico dizer que sou apenas responsável por mim. Mas a questão é que a "quinta-feira, 21" mexeu comigo e eu não fiz nada. Aliás, não recebi nenhuma das facadas do acontecimento. Simplesmente, olhei apenas e sofri com tudo que ocorreu.

Quanto mais escrevia, ele compreendia a razão de seu sofrimento.

Vocês já pararam para pensar que o mundo é um filme que você entrou quando já havia começado? Eu nunca tinha pensado nisso, até encontrar essa ideia numa história em quadrinhos.
Realmente, o mundo é um filme. Não estava no inicio desse filme. Porém, tenho que dar continuidade. Nesse roteiro cinematográfico, existem uma porção de núcleos. Será que núcleo é a palavra certa? Não sei! Mas a questão é que existem histórias paralelas, mas que não são tão paralelas assim. São histórias que se cruzam e nos afetam. Um simples sorriso dado na China pode ter consequências na minha vida. Acabou de falar o exagerado!
Bem, nessa "quinta- feira, 21" percebi em minha própria pele que um passo errado dado por outro pode se refletir como um grande tropeço em meu caminho.

Nossas decisões não podem ser atos irresponsáveis. Tudo o que fazemos pode ser refletido na vida do outro.

Quinta-feira, 21 é uma história que talvez mereça um livro ou um filme. Mas nem sei se terei coragem de escrever sobre esses fatos. Talvez, o maior problema é que nem sei com que palavras descrever tamanhas situações de tristeza, visto que elas são tão profundas e ferem a alma com uma dor insuportável. Será isso, uma parcela daquele sofrimento que chamamos de inferno?

Nesse momento, percebe que está pegando um pouco pesado, pois utilizou a palavra inferno. Mas nem liga e continua escrevendo sobre sua dor.

Diante de tais fatos, eu me sinto como uma estatua. Sou um ser totalmente parado. Não posso cruzar e nem descruzar os braços. Sou um objeto total nessa situação. Sou uma estatua que as pessoas colocam onde elas querem e meus olhos enxergam o que é possível dentro de um campo de visão determinado por elas.
O único diferencial é que problemas localizados atrás de mim e que não posso sequer olhar também me afetam. Não sou uma criatura onipresente, onisciente e tão pouco onipotente. Entretanto, me sinto totalmente onisentimental, pois compartilho de todos os sentimentos de dor da humanidade que estão concentrados apenas num único fato.
Você não precisa ver todas as experiências de dores do mundo. Basta uma experiência. Uma simples experiência de dor pode concentrar todas as dores do Universo. Um exemplo é Cristo que na sua morte na cruz experienciou todas as dores do pecado sem alguma exceção.

Depois de escrever o post anterior, começou a conceber sua tristeza como uma espécie de criação artística.

A dor é algo que realmente chama a atenção das pessoas!

Ele percebe que pessoas ficam curiosas sobre o acontecimento.

Algumas pessoas acham que talvez eu esteja fazendo uma piada de mal gosto. Mas a dor nunca é uma piada. A dor que sinto é verdadeira. Se vai durar para sempre não sei. Mas no momento, experimento a eternidade do sofrimento nessa dor.

Algo chama sua atenção no quarto de sua mãe.

Em meu quarto solitário, escutava o ronco de minha mãe. Agora, ouço o seu choro. E ela nem acordou para chorar. Minha mãe chora dormindo. Talvez, ela acorde e nem se lembre que chorou em seu sonho. Mas eu sei que ela irá chorar acordada.

E começa a pipocar mensagens em seu inbox.

Pipocam mensagens no meu inbox. Desculpem-me meus amigos, mas não quero no momento responder a nenhuma, Pelo menos por enquanto. Por mais forte que seja a dor, eu ainda tenho esperanças de que a situação mude. 
Imagino que eu acorde numa sexta-feira, 22 e possa dizer que tudo não passou de um pesadelo. Transformar esses acontecimentos em pesadelo seria uma forma de acabar com toda tristeza.

Um sentimento diz para ele fazer alguma espécie de esclarecimento.

Se acham que eu enlouqueci, afirmo que não. Um louco não tem consciência dos fatos presentes. Eu tenho plena consciência sobre o que estou escrevendo. E acho que ir escrevendo calmamente sobre tudo o que sinto me ajuda a compreender até melhor o que não tinha realmente entendido.
Escrever é uma forma de liberdade. Eu não posso fazer nada. Cheguei numa situação que somente Deus pode realizar um milagre. 
Para algumas pessoas, determinadas situações podem parecer bobas. Mas para mim, não tem nada de bobo. Como algo que fere alguém pode ser uma experiência tola?
Já consigo enxergar que se nada mudar, pessoas próximas a mim irão sofrer. O golpe não foi dado em minha carne. Mas sofro por outros. Sei que uma criatura por mim tão amada será a maior vítima da notícia e eu sofro antecipadamente por ela.

Resolve dar uma pequena pausa para procura alguma coisa para ler. Ele não entende, mas pensa em Clarice Lispector. Uma mensagem dela dá uma resposta que parece fazer sentido para o seu caso.



Suspira fundo e continua a escrever.

Talvez seja imprudente falar sobre determinadas coisas. Mas hoje, me dou o direito de ser um pouco imprudente. Quem nunca cometeu algum erro em sua vida?
Erros podem ser consertados. Eu me sinto aliviado por poder consertar meus erros. Difícil é não poder consertar os erros dos outros. Difícil é só poder olhar e não ter nenhum poder de restauração.

Ele não poderia destruir sua fragilidade. Ela era um mal necessário.

Enquanto escrevo, eu oro a Deus e digo: "Por favor, mude essa situação. Acredito que a principal vítima não tem culpa"!
Um pequeno alívio é que a vítima ainda não entendeu a dimensão do sofrimento. Talvez ela ainda não entenda. Em alguns casos, penso que a falta de compreensão é a melhor forma de não sofrer.
Gostaria de não ter inteligência para entender certas coisas. Sem inteligência, eu sofreria muito menos. A criatura não sofre ainda por não entender e acho que nem sabe direito o que acontece. Mas eu já sofro antes dela.

O que não fazia sentido passa a tê-lo. Continua com inúmeras postagens. Mas agora, seu coração estava cheio de esperança.
Sua noite terminou um pouco mais tranquila e finalmente, ele pode fechar seus olhos.
Quem nunca se sentiu triste? Quem nunca sofreu? Tudo faz parte!

Um comentário:

  1. Lendo essa postagem pensei nas minhas reações a ler/assistir as notícias. Cada dia mais violência gratuita, mais falta de educação, um caos total. E eu me sinto totalmente impotente, pois não posso mudar o mundo todo com as minhas próprias mãos. Sou uma peça somente no meio do coletivo. Trabalhar, ser bom, não te torna menos vítima da maldade causada pelos outros. Somos todos vítimas. Seja o irmão, o amigo do amigo, ou aquela pessoa que nem conhecemos. Sabemos que podemos ser os próximos. Sabemos que não estamos seguros, nem mesmo as pessoas que amamos. Como se posicionar diante disso tudo?! É se jogar na fé. Na esperança de que há ainda gente disposta a fazer o bem. É tentar em meio tanta corrupção ler sobre aquele que fez uma boa ação, sobre uma nova descoberta da ciência... Esperança...é o que nos resta pra seguir em frente! Se não sentaremos e lamentaremos tantas vidas sofridas, perdidas, que existem por aí, quando não a nossa. Mas a vida é só uma, temos que desfruta-la ao máximo.

    Abraços!

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!