Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Resenha do livro "In sexus veritas", de Pedro Chagas Freitas, Chiado Editora

Qual é afinal o poder do sexo no mundo actual?
Quando realizei minha parceria com a Chiado Editora, eles foram muito atenciosos e bondosos comigo. Pediram-me que fizesse uma lista com o nome dos livros que gostaria de ler. Então, fui atentamente olhar os livros de seu catálogo e de cara, me interessei pelo livro In sexus veritas, de Pedro Chagas Freitas.
O meu interesse pelo livro não veio do fato de pensar num texto erótico. Não era o meu foco pegar histórias picantes e nem bancar o adolescente que pega algo tipo revistinha para se trancar no banheiro.
Percebi que o livro trabalharia o sexo de forma diferente com uma pegada filosófica. Na capa do livro, encontramos a pergunta: "Qual é afinal o poder do sexo no mundo actual?"
A questão me fez perceber que o livro propunha uma reflexão madura sobre algo que se faz presente de forma contínua no mundo. Confesso que senti um pouco de medo ao fazer a escolha, porque o livro tem 1344 páginas. Enfim, é um calhamaço.
O livro chegou e esperava um texto mais teórico com aspectos científicos, históricos, filosóficos, etc. Eu me enganei! O autor coloca a reflexão a partir da vida de alguns personagens:
- Jesus Cristovão - um homossexual incompreendido;
- João Judas - um homem que tem o dom de ler as mentes das pessoas usando as roupas delas;
- Ary Solvir - um futebolista filósofo;
- Filipe Momó - um comediante;
- Cátia Alessandra - uma prostituta;
- Fifinha Proust - uma psicóloga que é considerada prostituta da alma;
- Anibal Leites - um assassino que perdeu a motivação de matar, porém desejava reencontrá-la.
Todos os capítulos levam o nome dos personagens do livro. Quando falo todos, quero dizer sem exceção alguma. Nenhum capítulo tem numeração. É puramente o nome do personagem.
No princípio, achei estranha essa forma de colocar os títulos dos capítulos, mas depois me acostumei. Também me senti meio perdido com essa forma de reflexão via personagem, não pelo fato do método em si, mas pela expectativa que eu tinha.
Senti certa dificuldade com a linguagem do autor e comecei a pensar que não gostaria do livro. Porém, como sou persistente e curioso, a leitura foi se aclarando e percebi que o livro é fantástico.
O sexo tratado no livro não consistia apenas na prática da copula ou acasalamento. O sexo mencionado é a força vital que permeia os temas da vida humana: amor, morte, inveja, paixão, raiva, mentira, medo, etc.
Dessa forma, vemos o sexo como  elemento essencial que se presentifica em todo comportamento humano dos seres humanos, ou seja, o livro fala de sexualidade. Por esse motivo, algumas vezes, o autor dava a impressão de que estava fugindo do tema central para abordar temas paralelos. Mas isso é um equívoco, o autor demonstra o poder do sexo pela sua presença, mesmo quando não sintamos sua força com claridade.
Por causa do trabalho reflexivo que o livro me proporcionou, pelo fato da obra ter aberto a minha mente para outras visões relativas ao sexo, classifico o livro com cinco estrelas no Skoob.
Conheça os livros da Chiado Editora, clicando aqui.
Espero que vocês tenham gostado dessa resenha. Deixe sua opinião nos comentários.

4 comentários:

  1. Olá Fernando, quando vo você apresentando 'In Sexus Veritas' no seu canal há algum tempo, confesso que senti uma sensação de entrave e não me fixei muito ao livro, receava que a leitura não me agradasse por alguns motivos, dentre eles, a própria história em si. Preferi aguardar a sua resenha para, enfim, poder analisar melhor.

    Agora entendo melhor o que o autor quer transmitir no livro. Gostei dos personagens e achei a questão dos capítulos levarem seus nomes, bem interessante. Talvez algum dia eu me arrisque na leitura.

    Mandou bem com mais essa resenha, Fernando,parabéns. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  2. Mas acho que o livro saiu do catálogo da Editora. Creio que para adquiri-lo. Somente em sebo ou aguardar que seja republicado.

    ResponderExcluir
  3. Eu confesso que adorei a ideia do autor de colocar o nome dos personagens nos capítulos, foi uma ideia brilhante no meu ponto de vista! A sua resenha ficou bem detalhada sobre o que encontrar com a leitura desse livro, com toda a certeza seria um livro que eu leria. É uma pena que saiu de catálogo. O que é calhamaço filósofo? Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Luciano.
      Calhamaço é um livro volumoso.

      Excluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!