Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Diário de Busca, de W-Souza, Chiado Editora - Primeiras Impressões

Olá Amigos!
Quero confessar que já li o livro intitulado "Diário de Busca", de W-Souza, publicado pela Chiado Editora. Entretanto, resolvi que irei relê-lo na #MLNacionais2016 para depois realizar a resenha que ele merece.
Alguns livros não são meros objetos. Creio que eles são seres vivos dotados de uma imensa bondade. Tais livros sabem caminhar e dirigem-se ao nosso encontro. "Diário de Busca" é um livro que eu não escolhi. Ele percebeu que era necessário aparecer em minha vida e veio até minha casa. Esse bondoso amigo quis me ajudar e renovar minhas forças.
Buscas constituem algo inerente ao ser humano. Arrisco-me a dizer que sem buscas, não existimos. Descartes afirmava: "Penso, logo existo". Vou ser bem atrevido ao afirmar que não é um simples pensar que garante a existência ao ser humano. O pensamento mais adequado se traduz na frase: "Busco, logo existo".
Existir é projetar-se, ir adiante. Quando não busco nada, minha vida fica atravancada. Perco-me em elucubrações funestas e o sentido de algo, que possa me impulsionar, desaparece sem aviso. Sou condenado a fatalidade da inexistência
Eu me sentia triste e fadado ao nada. Tinha perdido a capacidade de buscar algo. Minha vida havia perdido o sentido. "Diário de Busca" me encontrou e serviu de remédio para as dores de minha alma. 
Os irmãos W-Souza não tem conhecimento do bem que me fizeram ao me oferecer sua obra para resenhá-la. Deram-me uma poção mágica para me animar. Depois dessa leitura, senti a energia das buscas correrem como sangue em minhas veias. Para alguns, a confiança depositada pode parecer algo supérfluo, mas para mim, ter sido escolhido para falar a respeito desse livro foi algo grandioso. Penso que o livro se aproximou do lóbulo da orelha dos autores e sussurrou: "Envie-me para Fernando. Ele precisa de mim. Deixe-me salvá-lo!"
Eis que o livro veio ao meu encalço e ressuscitou a alma que se encontrava no sepulcro.

10 comentários:

  1. Gostei! Seu texto muito bem escrito, ventilado a luz da filosofia e da psicologia.❤ Parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Geane. Isso é fruto de um livro realmente inspirador!

      Excluir
  2. Fantástico!!! Como a Geh disse, muito filosófico.

    Os autores são talentosos demais. Adorei a obra.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro tem essa magia que conhecemos por Filosofia

      Excluir
  3. Lindas palavras Fernando! Que felicidade você nos traz. Seu nome foi escolhido justamente por apresentares alma em teus trabalhos. Sua busca já acontece, está em cada letra, em cada linha, em cada careta... srsrs. Agradecemos imensamente por este fantástico depoimento.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pela honra de ser um dos escolhidos!

      Excluir
  4. Muito lindo esperando a resenha ansiosa.Beijos!!!

    ResponderExcluir
  5. Já vi sobre esse livro em algum lugar mas não lembro onde, e você como sempre arrasa nos textos.

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!