Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

quarta-feira, 9 de março de 2016

"Diário de Busca" e valores que precisam ser resgatados

Falar do livro "Diário de Busca" sem ter minha alma presente seria um crime.
Olá Gente!!!
Sei que estou demorando com a minha resenha a respeito do Livro "Diário de Busca", dos irmãos W-Souza. Mas a questão é que o livro é tão rico de mensagens que não quero esgotar em apenas um post. Quero aproveitar e escrever mais textos sobre essa brilhante obra. Já comentei as minhas primeiras impressões sobre o livro, clique aqui e confira. Agora, desejo falar sobre alguns valores que o mundo de hoje precisa resgatar e que o livro "Diário de Busca" relata tão bem. Praticamente, estou fazendo um diário de leitura dessa obra tão rica publicada pela Chiado Editora. Dividi o texto em temas para facilitar o entendimento de vocês. Espero que meus humildes relatos sirvam de incentivo para adquirir a obra e sobretudo para vivenciar os valores que precisam ser renovados em nosso mundo.

A ARTE DE SONHAR
Wolnéia Souza
Ao ler as primeiras páginas desse livro, eu me emocionei. Fiquei encantado com a história de um menino que teve um infância semelhante a minha, ocorrida em um tempo onde não havia o tal mundo virtual e tínhamos um contato maior com a realidade. As páginas pareciam me envolver e mergulhei na história como se eu a vivesse de forma contundente.
Reviver minha infância através de Leopoldo fez-me ter novamente sonhos inocentes e isso deu um sabor especial à minha vida. Falar do livro "Diário de Busca" sem ter minha alma presente seria um crime.
O doce livro levou-me a acordar e perceber que a realidade atual não me dá mais prazer. Gostaria de viver nesse mundo inocente tão bem narrado através da infância de Leopoldo. A obra trouxe-me lindos sonhos e eu amaria ser o protagonista de um livro onde a inocência de um menino vigorasse. Infelizmente, ter essa infância resgatada parece-me um tanto utópico. Será que podemos fazer algo para que a linda infância de outrora seja vivida em tempos contemporâneos?
Enquanto, não vejo o resgate desse paraíso infantil, aproveito esses curtos momentos para me deleitar com a vida inocente de um menino amante dos livros, brincalhão e sonhador. Talvez, eu seja o Leopoldo das páginas desse livro e não tenha dado conta que vivo essa busca da Inocência.
E foi assim que eu me sentia diante das primeiras páginas da obra e sinto que a arte de sonhar merece um resgate para que adultos tornem-se pessoas melhores, visto que voltar no tempo e ser criança de novo é uma quimera.

DOCE INFÂNCIA: LEITURA E BRINCADEIRAS
Wanio Souza
Leopoldo teve uma doce infância. Quando pequeno, sua mãe o pegava no colo, folheava um livro e o menino acompanhava atento. Estabeleceu-se a paixão pela Literatura.
Seu amor pelos livros se consolidou ao encontrar um exemplar de Civilizações Antigas. Folheando as páginas dessa obra, descobriu relatos de arqueólogos sobre descobertas de esqueletos, de animais pré-históricos e civilizações extintas.
Fascinado pelo livro, resolveu ser arqueólogo e continuou firme em novas leituras. Mas não pense que Leopoldo reduziu sua vida a ser um "rato de biblioteca". O menino brincava com seus amiguinhos, jogava bola e empinava pipa. Desenvolveu um espírito de liberdade, dentro de uma infância saudável. Sabia apreciar doces e gastava as calorias consumidas com intensas atividades infantis.
O menino Leopoldo trouxe-me um sentimento de nostalgia. Gostaria de reviver minha infância que foi tão semelhante a dessa criança. Saudades de um tempo onde os espaços geográficos poderiam ser bem limitados em relação aos virtuais, no entanto nada substitui contatos reais onde olhares verdadeiros se cruzam e abraços reais podem ser dados.
Dois valores que necessitam de resgate: a leitura e os jogos lúdicos no mundo real.

CONTATO FAMILIAR
A família de Leopoldo é magnífica. A mãe lê para o seu filho. O pai conta histórias para o menino. O contato familiar estimula a leitura e a criatividade.
Algo que achei lindo é o fato de realizarem refeições juntos e manterem o diálogo sempre presente. No mundo atual, vemos os jovens comendo com um prato na mãe e em cima da TV, ou simplesmente segurando o celular enquanto mastiga apressadamente o alimento. Diálogo em família é algo que praticamente não existe. Enfim, o livro resgata valores que promovem a união familiar e garantem uma formação humana adequada.

Editar livros não é o nosso trabalho, é a nossa paixão!
Meus queridos amigos, viram como o livro é maravilhoso e pode nos estimular a termos de volta antigos valores que, creio eu, poderiam tornar nossa humanidade melhor? 
"Diário de Busca" não é apenas uma obra de entretenimento, mas é um livro que reflexivo e que em suas páginas, fala-nos de lições importantes para uma melhoria da sociedade. Não há possibilidade de decepção com essa leitura.
Adquira o seu exemplar, clicando aqui.
Peço que deixe seus comentários e aproveitem para conhecer o Canal Filósofo dos Livros, clicando aqui.
Abraços e até a próxima postagem.

7 comentários:

  1. Ótima postagem!!!

    ''O doce livro levou-me a acordar e perceber que a realidade atual não me dá mais prazer. Gostaria de viver nesse mundo inocente tão bem narrado através da infância de Leopoldo.''

    Tive sensações semelhantes a esta quando li ''Diário de Busca''. O livro é mesmo muito bom.

    Parabéns pelo post meu amigo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. O livro parece ser mesmo muito bom, pela resenha incrivel, me deu bastante vontade de ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não é a resenha, kkkk Vou fazê-la ainda

      Excluir
  3. É, estou vendo que vou ter que comprar esse livro logo, só pelas suas palavras meu amigo.

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!