Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Norgh...

Olá leitores do blog do Filósofo dos Livros, tudo bem? Hoje trago mais conto de literatura fantástica, tentei fazer algo de alta fantasia, mas que fugisse da regra de guerreiros, magos, elfos e orcs. E olhem só, acabei colocando elementos de ficção cientifica, rsrsrs... Porque será? Espero que gostem de Norgh, um assassino de aluguel que faz parte de uma espécie um pouco diferente... Obrigado e até a próxima. 

Norgh...
A qualquer momento a comitiva que levaria a rainha até o salão de cristal passaria pela rua principal da cidade suspensa, seriam dezenas de guardas e Norgh não se desviava da luneta de seu rifle nem por um segundo, a visão nublada não o atrapalharia desta vez, não nesta missão. Executar a rainha Tessala seria a maior e mais bem sucedida missão de sua vida.
Estava na mesma posição há quase duas horas, seu traje estava aguentando bem a pressão da cidade e a intensidade do sol, mas não saberia por quanto tempo mais. A cidade suspensa já havia caído em total escuridão a cerca de um quarto de lua, então ouviu o som dos cascos dos primeiros híbridos marchando em direção à sede do governo.
Norgh era um dos mais conceituados e caros assassinos do submundo, passara quase a vida inteira viajando entre os pequenos planetas, estrelas e luas do sistema Urryall executando rivais políticos e comerciais de seus contratantes, nada que elevasse o sentimento de Norgh por seu trabalho, atirar em alguém, fosse humano, híbrido ou gasoso não lhe causava nenhum sentimento, não havia pena, não havia arrependimento, mas... Este disparo de logo mais poderia mudar todas as subdivisões do sistema lunar, toda a vida seria afetada por seu tiro... Hoje havia um sentimento, estava excitado...
Se não apertasse o gatilho, em muito pouco tempo o submundo não continuaria a existir. A última lua do sistema era praticamente composta por gás e carvão, seus habitantes não possuíam um corpo físico, eram compostos de hidrogênio e metano... Se uma pequena faísca fosse acesa no submundo, todo o sistema seria destruído... A rainha dos homens de luz sabia disso, mas continuava a extrair o gás e os minérios do submundo sem se preocupar com as consequências de seus atos. A cidade suspensa precisava da energia gerada pelos insumos retirados da menor das luas do sistema, mas sem o gás que os circundavam, os chamados “gasosos” não conseguiriam mais existir.
Por vezes Norgh quase se esquecia... Também era um gasoso, então hoje lutava por sua sobrevivência. Apenas no submundo não precisava usar o traje isolante, nas outras estrelas e planetas do sistema, se não o usasse rapidamente se diluiria aos outros gases das diferentes atmosferas.
O som dos híbridos tornava-se mais forte a cada segundo e a sua atenção se voltou para a luneta novamente.
A plataforma da rainha começou a se tornar visível por entre a sua comitiva de guardas híbridos e Norgh rapidamente apertou o botão de avaliação das condições climáticas, uma pequena rajada de vento mudaria a direção do projétil em alguns centímetros e o tiro seria perdido. Inclinou o cano de seu rifle por cinco graus a esquerda e supondo que a rainha estaria no centro da plataforma apertou o gatilho.
Voltou a luneta para a posição inicial e apertou o botão da pequena câmera do projétil, acionou os dois flaps de direção e guiou o fragmento de aço até o alvo. Passou por entre a guarda da rainha e acionou o flap inferior. Endireitou o flap superior e pode ver o impacto inicial, quando o crânio da rainha Tessala foi aberto por seu tiro.
Neste instante Norgh soltou o rifle entre as pilastras em que estava apoiado e o viu caindo no imenso abismo que separava a cidade suspensa da primeira lua de Urryall, levantou-se e correu o mais rápido que pode até seu drone de transporte, deitou-se do lado de fora e conectou seu braço ao botão de selagem, o pequeno drone ativou as portas herméticas e sugou Norgh para o interior do módulo, deixando seu traje já danificado pelo sol na cidade suspensa, o modo hibernação foi ativado e os motores do drone foram acionados.
Um novo traje foi conectado ao compartimento de selagem e o pequeno compressor sugou Norgh para o seu interior. O assassino deixou o módulo do drone, levantou-se e caminhou até a sala de comando. A alta cúpula de Urryal estava reunida em frente a alguns monitores...
A morte da rainha dos homens de luz estava sendo noticiada em todas as luas e planetas, Norgh entrou mediante aplausos e se sentou junto a seus contratantes, então uma grande valise com cristais Hupyr e uma pasta com dois novos alvos foram entregues ao mercenário. A linha de sucessão do trono deveria ser derrubada o quanto antes e Norgh precisava de um novo rifle para recomeçar a trabalhar.  

4 comentários:

  1. Cara, é sério, adoro os seus contos, porquê sempre me dão vontade ler mais!!! Rsrs

    ResponderExcluir
  2. Ficou muito bom! Aja livros se cada boa idéia dos seus contos se expandir! Parabéns, vc sempre se superando! Cada post seu que leio eu penso "esse é o meu preferido"!!!

    ResponderExcluir
  3. Ficou muito bom! Aja livros se cada boa idéia dos seus contos se expandir! Parabéns, vc sempre se superando! Cada post seu que leio eu penso "esse é o meu preferido"!!!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pessoal, fico feliz que tenham gostado!

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!