Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

[CONTO] MORTE?



Olá galera macabra, tudo bem com vocês?
Nessa Sexta-feira do Terror trago-vos um conto um tanto quanto agonizante, mas tenho certeza que aqueles que são amantes do terror irão adorar.
Não deixe de comentar no final desse post, pois é a sua opinião que me ajudará a saber o que os leitores do Filosofo dos livros estão achando do meu trabalho. ;)


Morte?

Quanto mais ela corria mais a sombra se aproximava.

Possuía uma foice em sua mão, e era o retrato exato da morte. Ao contrário da tão subjugada imagem do tal ceifeiro, a sombra possuía um aspecto muito mais aterrorizante, com uma capa preta que mais parecia uma pele impregnada ao seu corpo e uma face sem olhos algum o ser continuou intrépido em sua caçada...

– Não podemos deixá-la nessa situação. – A voz era distante, quase inaudível. A voz do seu marido.
– Eu ainda tenho esperanças de que ela irá voltar.
– Ela não vai voltar. Está morta.
– Não, minha filha vai voltar, eu tenho certeza – falou sua mãe em meio às lágrimas...

Dessa vez a morte apareceu do nada, e estava bem na sua frente. Ela girou nos calcanhares e correu na direção oposta. No entanto, era como se possuísse um fardo enorme sobre suas costas, quando mais corria mais parecia ir a lugar algum...

– Me perdoe. – Pediu seu marido. – Se ainda estiver ai me perdoe...

Era uma floresta íngreme, as raízes se faziam obstáculos.  A jovem sentiu suas pernas cederem, já não tinha mais força e o ar rarefeito lhe faltava em seus pulmões. Sentiu um frio paralisante ao enxergar a sombra se aproximar de si e erguer sua arma...

– A decisão que a senhora está tomando é de extrema relevância, tem certeza de que é isso que deseja? – Indagou o médico...

O vestido branco se manchou de sangue quando enfim a foice entrou em seu peito, e por uma última vez ela sentiu algo na vida: muita dor...

Os bips que marcavam sua frequência cardíaca paralisaram em menos de um segundo, e o único som ouvinte no leito do hospital foram os das lágrimas da sua mãe e de seu marido, em algum lugar lá fora, ela sentia que seus filhos também estavam chorando...

2 comentários:

  1. Gente!!!!
    O que é isso?
    Fiquei arrepiado!!!
    Que medo!!!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa Brendo, vc é realmente bom no que faz. Consegui visualizar cada cena... minuciosas e bem postas a descrições. Parabéns! E feliz aniversário tb tah heheheh

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!