Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Resenha: Sobre Mocinhos e Bandidos, de Fabio Diaz Mendes, Editora Penalux

Olá, Galera Literária!
Inicio essa resenha, trazendo à tona algumas questões: O que é o bem? O que é o mal? Existe oposição clara entre o bem e o mal? Será que sabemos definir o que é realmente bom e o que é verdadeiramente mal? Existem males que vem para o bem? Sabemos fazer as escolhas certas? Nesse mundo, o que significa ser o mocinho ou ser o bandido? Será verdadeiro que o mundo se divida entre heróis e vilões? O certo e o errado são definidos com facilidade?
O livro "Sobre Mocinhos e Bandidos", de Fabio Diaz Mendes, publicação da Editora Penalux, trabalha com essas questões. Refletir sobre elas não é algo fácil. Exige muita paciência e cautela. Não podemos nos arriscar em respostas simples, pois o assunto traz uma complexidade inerente.
A maioria das pessoas acredita que a oposição entre o bem e o mal ocorre de forma simples. A maioria pensa que a coisa é certa ou errada. Infelizmente, tal equívoco causa um desastre enorme na humanidade. Os seres humanos não meditam de forma correta sobre o seu agir.
Seria muito bom ter as definições bem delineadas a respeito do certo e do errado. Mas a verdade evidencia que não conhecemos com claridade determinados conceitos. Existe o caos instalado no pensamento humano. Mas por que será que essas dúvidas pairam no ar?
Como nada é tão simples, fica difícil elaborar uma resposta acertada, porém me arrisco a explicar o que poderia ser uma possível causa.
Já ouviram falar de Maniqueísmo? O pensamento maniqueísta é bem antigo. Por favor, não me perguntem datas. Sou péssimo com elas. Entretanto, abordarei alguns aspectos dessa corrente filosófica para que vocês possam entendê-la.
O Maniqueísmo é a ideia baseada em um pensamento religioso que afirma existir o dualismo entre dois princípios opostos: o bem e o mal.
Algumas pessoas encaram o raciocínio maniqueísta como uma espécie de dogma. Para os maniqueístas, toda natureza material é essencialmente perversa e má, enquanto que a bondade se encontra enraizada no espírito e no mundo espiritual.
O modelo maniqueísta é muito simplista, pois se limita em dividir todas as coisas em apenas dois opostos: "o bem e o mal", "o certo e o errado".
Para exemplificar o conceito, acreditar que uma pessoa boa sempre será boa, enquanto que uma pessoa má sempre será má é uma demonstração de maniqueísmo. Tal abordagem sai da simplicidade para cair no simplório.
Os maniqueístas são superficiais e não refletem sobre as condutas de forma adequada. Eles costumam opor comportamentos, santificando-os e demonizando os seus contrários. Não são capazes de raciocinar sobre as diversas possibilidades.
No opúsculo de Fabio Dias Mendez, encontramos 22 contos que pautam a discussão de um jeito bem amadurecido. O autor não limita o mundo entre o bem e o mal, mas demonstra as diversas possibilidades de escolhas. Decerto, nosso escritor não se enquadra no padrão maniqueísta, o que é ótimo.
Em cada conto, somos presenteados com cenas bem realistas. Cada situação não fica apenas no plano do imaginário. O literato descreve fatos do cotidiano com destreza, conduzindo-nos aos diversos questionamentos relativos ao agir frente aos problemas mencionados.
O jeito de contar as diversas histórias nos fazem pensar e perceber que os limites entre bondade e maldade não são tão perceptíveis. Muitas vezes, notamos que não existe a oposição real entre "o bem e o mal", "o correto e o errado". Em tais circunstâncias, a escolha consiste em abarcar o menos ruim. Quando nos deparamos com nossas vidas, descobrimos que existem momentos em que todas decisões parecem erradas. Todas as opções terminam em males. O bem não aparece em nenhuma delas. São nessas horas que devemos manter a idoneidade; e dos males, procurar o menor. Ao saber que tudo acarreta em prejuízos, torna-se difícil manter a honestidade e o coração puro. A maior parte das pessoas fecha o semblante para o próximo, e pensa somente em seu bem.
Eu apreciei demais os contos descritos pelo Fabio Diaz Mendes por causa desse cunho altamente realista. Ele não floreou os acontecimentos. Revelou uma realidade dura e fria. Aclarou os fatos da vida, demonstrando que o oposto "bem e mal" não existe. A verdade se traduz em diversas opções existentes no espaço entre os opostos. A realidade desse mundo não se configura em processos dualistas. O dualismo encontrado no Maniqueísmo deve ser descartado.
Os contos presentes na obra "Sobre Mocinhos e Bandidos" falam sobre adolescentes irresponsáveis, pais sofridos, advogados corruptos, bêbados, pessoas comuns, etc. Os protagonistas dos contos enfrentam situações problemáticas e encaram decisões difíceis. O pior de tudo é que, muitas vezes, as melhores escolhas podem trazer as piores consequências. Como diz o ditado popular, "o mundo não é um mar de rosas".
Um dos pontos altos do livro é o final de cada enredo. Não houve um conto onde o final não tivesse sido surpreendente. Posso afirmar que o melhor da reflexão dos contos ocorre quando lemos os seus términos. As consequências dos atos dos personagens nos leva a pensar sobre o porquê de certas coisas ocorrerem na existência humana.
Esse foi o primeiro livro que não encontrei defeito algum. A obra traz capa perfeita, diagramação perfeita, revisão perfeita e escrita do autor absolutamente perfeita. O trabalho do autor com a Editora Penalux está acima de todos os padrões que vi em outros livros. Classifiquei a obra com CINCO ESTRELAS no Skoob.


Parabenizo o autor Fabio Diaz Mendes pela sua capacidade de elaborar contos fortemente realistas e reflexivos. Excepcional é a palavra adequada para qualificar a obra. Cliquem na imagem abaixo e adquiram o seu exemplar.


Sem sombras de dúvidas, eu recomendo esse livro. Creio que tal obra seria de grande utilidade como fonte de discussão em grupos de jovens ou em salas de aula. Como referido na orelha de capa, "é uma obra que deve não apenas ser lida, mas discutida, sem qualquer constrangimento às reflexões sutilmente propostas nas narrativas".
Não escrevo resenhas para o meu deleite apenas. Gostaria de saber a opinião de vocês. Manifestem-se nos comentários.
Abraços e até a próxima postagem.

4 comentários:

  1. Olá Fernando, tudo bem meu amigo?
    A obra Sobre Mocinhos e Bandidos parece ser de fato muito boa e interessante. O cerne sobre Bem ou Mal, ao meu ver é muito subjetivo, não se pode limitar ao materialismo, é algo intrínseco, inerente ao indivíduo. Concordo com o autor que tudo é baseado nas escolhas, pois elas nos levam para diversos caminhos. Muito interessante o autor pautar sua obra em contos, algo que adoro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo Yvens. Seu comentário demonstra que você conseguiu captar a essência do livro.
      Ao ler a obra, pensei em você. Creio que os contos agradariam seu gosto apurado.
      Muito obrigado pela presença.
      Abraços!!!

      Excluir
  2. Gostei muito da sua resenha, o livro tem um assunto muito interessante. Afinal o que é certo pra mim pode ser errado pra vc ou contrário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, Luciana.
      Você captou a essência do livro.
      Beijos!!!

      Excluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!