Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

sábado, 17 de setembro de 2016

Em meu tempo, as coisas eram mais simples.

Eu nasci em uma época em que as coisas eram bem simples. As pessoas nasciam e se definiam como homem ou mulher, e é claro havia o termo gay. O tempo foi passando... Surgiram novos termos cujos significados ainda não aprendi. Confesso que tenho dificuldades em entender o que as pessoas querem dizer com opção sexual, identidade de gênero, etc. Ainda não entendi - e vejo que muitas pessoas também - a diferença de homossexualismo e homossexualidade. Leio alguns artigos sobre o assunto, e nem todos dão uma definição clara.
Começo a ter receio de falar sobre tais assuntos, pois vivo em uma geração que se eu usar um termo errado por não compreendê-lo, simplesmente já me taxam com preconceituoso, sendo que não tenho comportamentos preconceituosos, apenas não sei a palavra correta. 
Quando era criança, ouvia expressões que o fulano é negro de alma branca. Repetia, mas não entendia a gravidade dessas palavras. Demorei um certo tempo para a ficha cair. Aliás, usava essa expressão, e quem me conheceu, sabe que eu nem gostava de minha cor branca. Eu era o garoto branco que desejava ser negro. Mas enfim, está difícil acompanhar todas essas mudanças. Às vezes, acho melhor nem comentar, pois ao falar de certos assuntos ou perguntar sobre eles, corro o risco de ser julgado erroneamente. 
Penso que as pessoas deveriam evitar certos julgamentos. Uma vez vi uma entrevista com uma garota que assumia o corpo de um rapaz. Fisicamente, parecia um menino. Perguntaram a ela o que seria uma definição para si mesma: transsexual, travesti, homem, gay. Ela respondeu que não sabia, mas preferia ser.... E mencionou o seu próprio nome. Se de repente, as pessoas que assumem "formas diferentes" nem sabem como se definir, por que eu tenho que saber tudo?
Outra vez, vi Xuxa usando o termo traveca em seu programa. Alguém se manifestou contra, dizendo que a apresentadora estava errada, e que o termo era preconceituoso. Tenho amigos que se definem travestis, mas que ao cumprimentar outros dizem: "Oi, Traveca!". Se os próprios usam o termo, por que a Xuxa, outra pessoa e eu seriamos preconceituosos por usar a palavra? São coisas assim que me chateiam: ser julgado apenas por não saber a palavra certa. Desculpe-me, mas eu não conheço todos os termos corretos para discutir o assunto.

4 comentários:


  1. Olá Fernando, tudo bem? Artigo top o que você abordou, aliás é complicado mesmo, meu amigo. Tenho a impressão de que, com a evolução dos tempos surgem novos termos para esse assunto tão polêmico, né verdade! Forte abraço meu amigo e parabéns pelo artigo. Quanto mais informação melhor.

    Marcas literárias

    ResponderExcluir
  2. Pois é hoje em dia não se pode falar nada que já tachado de preconceituoso!

    ResponderExcluir
  3. Pois é hoje em dia não se pode falar nada que já tachado de preconceituoso!

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!