Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

EU SOU HOMEM E SOU CONTRA A LEGALIZAÇÃO DO ABORTO.

Por ser homem, disseram-me que não posso me manifestar contra a legalização do Aborto. Alegaram que não tenho útero, portanto não engravido. Não tenho direito, segundo algumas mulheres, de expressar minha opinião.
Resolvi acatar. Não vou me manisfestar contra essa lei, embora discorde totalmente dela. Mas creio que ela precisa ser melhorada. Já que é para valer, penso que temos o dever de torná-la justa.
Em tempos passados, eu escutava que mulheres não fizeram o filho sozinho. Logo, caberia ao pai assumir a criança e pagar uma pensão. É verdade que muitos homens fugiram de suas obrigações, e as mulheres passaram por muitas humilhações. Não nego esse passado. Porém, sei que nesses tempos, ela não podia escolher. Aborto era crime.
Hoje, as pessoas têm a mente mais aberta. A mulher não é obrigada a nada. Seu corpo, suas regras. Pensando dessa forma, o pai da criança não tem decisão alguma de obrigar sua namorada ou esposa a ter um filho indesejado. Ele não é responsável por essa escolha. Visto que o homem perde o direito de ter um filho por ele desejado, penso que ele também não pode ser obrigado a assumir um filho que não quer. Nesse ponto,  vai ter as mulheres que me dirão: “Mas se ele não queria, deveria ter evitado antes. Deveria ter usado camisinha e tal.” Se ele deveria ter feito algo para evitar a gravidez, se não existe a tal gravidez de acidente para o homem, então não existe a gravidez de acidente para a mulher. Mas nesse pensamento moderno, existe a tal gravidez por acidente. Se é acidente para a mulher, é acidente para o homem também.
Nesse sentido, volto a afirmar que se por acaso, algum homem não desejar ser pai, nenhuma mulher pode obrigá-lo a tal responsabilidade. Se ela pode decidir sozinha em ser mãe ou não, ela não pode obrigar o homem a fazer algo que ele não queira. 
Para que a lei seja mais eficaz, quando a mulher fizer o teste de gravidez e der positivo, deverá avisar ao pai antes dos 3 meses para que ele esteja ciente da gravidez, e possa manifestar o seu interesse em assumir a paternidade ou não. Se ele assumir, deverá ajudar no custo da criação de seu filho. Mas se ele não quiser, e a mulher optar em levar a gravidez adiante, caberá a ela o sustento sozinho. Afinal, a tal legalização do aborto não dá o direito do homem de decidir sobre o nascimento do bebê.
Caso, a mulher opte em não avisar o pai. Não existir nenhuma prova de que ele sabia da gravidez, ela não poderá depois exigir que ele assuma qualquer responsabilidade. Infelizmente, muitas mulheres engravidam, têm a criança sem o pai saber, e depois de um bom tempo, vem exigir pensão. Sou homem e não posso ser contra a legalização do aborto? Também não posso obrigar os homens a serem pais sem vontade.
É claro que a lei não me impede de assumir meu filho. No meu caso, se alguma mulher engravidar de mim, eu faço questão de assumir a criança. A lei não impede que eu possa ter responsabilidade sobre meu filho, da mesma forma que a legalização do aborto não impede de que a mulher possa ter sua criança, não é mesmo?
Dar o direito ao homem de ser livre para não assumir a paternidade, não o desobriga de ser pai, caso ele queira o filho.

2 comentários:


  1. Olá Fernando! Muito bom o seu post, falando desse assunto tão polêmico. Concordo com o que você disse no texto. No entanto os tempos são outros, hoje em dia o número de mulheres que tem filhos de maneira planejada caiu bastante, as mulheres são donas do próprio nariz, elas pensam melhor antes de ter um filho, e nesse pensar de forma racional delas, as fizeram reduzir a gravidez planejada, em geral elas optam por não ter o filho, e elas estão dando prioridade à outras coisas como carreira profissional, estudos, viagens e a maternidade está ficando para mais tarde para elas. Na contramão disso, temos várias mulheres muito jovens, que nem terminaram os seus estudos e já são mães. Em geral essa situação ocorre na classe mais baixa da sociedade, onde muitas mulheres jovens se tornam mães precocemente. E o engraçado é que hoje os homens é que normalmente têm esse desejo da paternidade, é claro que antigamente eles tinham esse desejo também, porém nos dias atuais essa situação ficou em maior evidência. Sendo assim, um dos motivos para que haja número elevado de separações entre casais, seja este. Eu sou totalmente contra a legalização do aborto, e digo mais, caso se legalize oficialmente, terá que sofrer algumas modificações, como você citou. Abração!

    ResponderExcluir
  2. Belissimo texto, concordo plenamente, não sou a favor do aborto isso vai virar desordem.

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!