Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

sábado, 4 de fevereiro de 2017

O Livro dos Negros, de Lawrence Hill, Primavera Editorial

Olá, Galera Literária!!!
Adianto uma coisa com muita certeza: se vocês querem ler um dos melhores livros de todos os tempos, leiam O Livro dos Negros, de Lawrence Hill, uma publicação da Primavera Editorial.
A obra tem 408 páginas que lhe prendem do começo ao fim. É incrível a capacidade do autor em criar uma história fantástica. Ele deixa claro em uma espécie de apêndice em sua obra que pesquisou detalhes históricos a respeito da escravidão e contou com a ajuda de especialistas do tema, mas isso não tira o seu mérito, visto que ele soube usar o fruto de seus conhecimentos para aplicá-los em uma história que pode ser adjetivada como espetacular.
O Livro dos Negros nos fala a respeito de Aminata Diallo uma velha ex-escrava que retrata suas memórias através de 4 livros. Ao narrar lembranças de sua vida, algumas vezes, ela dá pequenas pausas para se referir à sua realidade como  idosa e sua relação com os abolicionistas. Nesses pontos da narrativa, percebi que os abolicionistas dentro do olhar de Aminata não são os heróis que costumamos ver nas escolas. A ex-escrava transparece sutilmente sentir-se explorada como se eles a usassem para obter certas vantagens, mesmo sendo a abolição algo bons para os negros. Sabe aquela coisa das pessoas fazerem o bem para lucrar com a fama de bonzinhos? É bem isso que vemos nas relações entre Aminata e abolicionistas.
Mas o conteúdo maior do enredo descreve o passado da protagonista desde o seu tempo de liberdade na África, sua captura, sofrimentos com a escravidão e sua constantes lutas pela liberdade até seu tempo de velhice. A obra é narrada em primeira pessoa pela própria protagonista. Esse fato me surpreendeu, pois sabemos que o autor é um homem que narra com perfeição o olhar feminino. Ele não fala apenas da escravidão, mas ele nos conta parte da história dos escravos do ponto de vista de uma mulher. Ele faz isso com tanta maestria, que me esqueci de sua presença masculina e passei acreditar piamente na existência de Aminata.
Por meio dessas memórias, descobri coisas curiosas. Eu não tinha noção da existência de muçulmanos na África. A religiosidade africana por mim conhecida era bem outra. Eu conhecia a espiritualidade africana como cultuadora dos orixás. A família de Aminata seguia o Islamismo. Na infância, ela teve uma boa formação e sabia escrever algumas palavras em árabe.
Ao ser capturada e chegar na Carolina do Sul, ela teve a chance de aprender a escrever em inglês. Durante o seu percurso de vida escrava em locais de língua inglesa, os seus senhores perceberam sua facilidade em aprender e sua sabedoria. Com isso, ela teve a chance de ter aulas até de contabilidade. Todas essas coisas ajudaram-na, mas nem por isso, sua escravidão foi algo fácil de ser aceito. Fica evidente que em meio aos sofrimentos, a protagonista nunca aceitou a condição de ser uma ferramenta de trabalho para seus donos. Talvez o acesso aos livros, pois Aminata lia muito, fizesse com que ela ficasse livre de alguns sofrimentos físicos, porém o sofrimento psicológico exacerbou-se porque a leitura abriu os seus olhos para o sentido da palavra liberdade.
A história é permeada de fatos tristes, entretanto o estilo poético que Aminata utiliza para revelar sua vida, nos envolve e passamos a enxergar a arte. Os fatos ligados à escravidão são tristes, porém a arte com que ela nos conta é bela. É uma obra que nos revolta pelas injustiças contadas, porém nos encanta pela estética formidável do texto.
Voltando à questão do apêndice, sabemos que o autor utilizou fatos históricos reais para falar de sua protagonista, entretanto alguns foram levemente distorcidos para se adaptar ao enredo da personagem.
Sem sombras de dúvida, O Livro dos Negros está entre os melhores livros de minha vida. Aminata é a personagem crítica que não baixou sua cabeça diante do sofrimento e teve grande sabedoria ao lidar com as adversidades de suas vidas. Evidente que houve pequenos momentos de fraqueza, mas a atitude predominante foi de uma guerreira. 
Por todos os motivos elencados, classifiquei a obra com CINCO ESTRELAS no Skoob e a favoritei. Para adquirir o livro, clique aqui.
Aproveito para lembrar que eu tenho um Canal Literário que também recebe o nome de Filósofo dos Livros. Nele também apresento resenhas de obras literárias. Para conhecê-lo e inscrever, clique aqui.
Bem, gente, é isso!!! Espero que vocês tenham gostado. Deixem o recadinho de vocês nos comentários, pois eu amo ler o que vocês escrevem.
Abraços.

2 comentários:

  1. É a primeira vez que ouço falar sobre este livro. E achei fantástico. Essa parte do autor usar fatos históricos reais, ao mesmo tempo em que distorce alguns para se encaixar na história deve ser bem fascinante!
    Adorei seu blog, estou seguindo!
    Magia é Sonhar
    Sorteio Marcadores de Página

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo seu comentário. Creio que você irá gostar do livro. Se lê-lo, venha aqui contar o que achou.
      Abraços!!!

      Excluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!