Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Palavras de Rua, de Felipe Saraiça, Editora PenDragon

Olá, Galera!!!!
Continuo sempre dando dicas de livros espetaculares para vocês.  Hoje, trago a resenha de uma obra fascinante, rica de mensagens maravilhosas. O opúsculo em questão é Palavras de Rua, de Felipe Saraiça, uma publicação da PenDragon.
Não sei se o autor tem consciência da magnitude de sua escrita nas páginas que compõem o livro, entretanto mesmo inconsciente, sua genialidade não poderia ser ignorada. Aliás, os grandes gênios da humanidade nem sempre tiveram noção da importância de seu trabalho.
Felipe Saraiça conseguiu, por meio de uma linguagem simples, elaborar uma trama cheia de significados que formam uma verdadeira lição de vida. Pessoas sábias captarão o sentido magnânimo da obra ao refletir sobre o sentido encontrado em cada linha dessa narrativa.
É incrível que uma história simples possa ser tão rica em lições. Com isso, esse livro nos leva a pensar sobre a vida humana e o que podemos fazer para tornar o mundo melhor.
Em Palavras de Rua, encontramos a história de João, um adolescente que sofre a violência paterna. O menino se angustia pela sua dor e pelo martírio que sua mãe padece por causa de seu pai, um homem descontrolado por causa da bebedeira. Diante de tantas angústias, ele resolvi sair de casa e fazer da rua sua habitação. Porém, frente à possibilidade dessa nova realidade, ele faz a promessa de um dia tirar sua mãe do inferno vivido.
Talvez, nesse momento, meus queridos leitores estejam perguntando: "Mas o que há de fascinante em sair de casa para ser um morador de rua?" E eu creio que vocês não entenderam o quanto essa história é brilhante. Dessa maneira, cumpre-me o papel de aclarar a grande finalidade desse livro que se encontra obscura para algumas pessoas.
Palavras de Rua traz em seu cerne a jornada arquetípica do herói presente em vários contos mitológicos/religiosos ou obras literárias. João, o protagonista da história, é o herói que passa por uma sequência de etapas. Com essas fases vivenciadas por ele, podemos traçar um preciso paralelo entre os degraus rumo à maturidade e os diversos símbolos ou metáforas que interagem com a nossa psiquê. É como se a vida do nosso herói traduzisse os estágios de nosso amadurecimento. A obra tem esse lance psicológico que nos leva a refletir sobre o nosso crescimento pessoal.
Esse opúsculo não traz um simples entretenimento, mas apresenta uma gama de conceitos variada que se relaciona com a nossa personalidade e nos fornece matéria-prima para a formação de nossa caráter.
Essa estrutura arquetípica da jornada do herói em seu nível básico, é dividida em três estágios: Partida, Iniciação e Retorno. No primeiro estágio, vemos João em seu mundo comum padecendo as dores de uma vida familiar corrompida pela tirania de seu pai. O nosso herói vê um mundo que não satisfaz seus anseios. Tal realidade o desafia e o leva a partir dessa realidade medonha e ir em busca de um sonho maior. Não se trata de uma fuga egoísta, mas de um ato solidário, pois nessa viagem , ele leva a promessa de voltar um dia e libertar sua mãe.
Na iniciação, segundo nível, vemos a vida dele como morador de rua. Essa nova fase é a grande aventura do herói. Nesse plano, João se depara com o inesperado. Ele se encontra com pessoas de todos os tipos: gente boa, gente má e gente indiferente. A convivência mexe com sua visão de mundo. João sofre, João ri, João reflete e João cresce como ser humano. A aventura traz provações e recompensas. Esses contrastes fortalecem o herói e proporcionam a entrada em novo nível: o retorno.
Vencidas as batalhas desse estágio, o protagonista retorna com um novo conhecimento, simbolismo  dos novos poderes adquiridos. Como esse retorno se estabelece nessa trama, não posso falar muito para não dar spoiler. Mas posso dizer que a aventura, fase anterior, levou o herói a criar novos desafios e promessas. Logo, o retorno nem sempre é tão tranquilo, pois a superação dos problemas impulsiona novas lutas e novas aventuras. A Jornada do herói é cíclica. As partidas com seus desafios se renovam para proporcionar novas aventuras e retornos com mais poderes.
Eu amei o livro por causa desse elemento arquetípico baseado em uma narrativa verossímil. Felipe Saraiça conseguiu captar um dos motivos que geram moradores de rua, estabelecendo paralelos com o processo de amadurecimento da psiquê humana.
Pelos motivos elencados, concedi CINCO ESTRELAS para o opúsculo no Skoob.
Quero convidá-los a lerem o livro e a meditarem sobre as lições presentes em cada linha. Creio que no final, os leitores contemplarão a riqueza de crescer como pessoa humana. Para adquirir a obra, clique aqui.
Como não encarei a leitura como uma simples diversão, pretendo futuramente relê-la para fazer um estudo aprofundados sobre os estágios da vida do herói. Quem tiver também o interesse de um maior conhecimento do tema, proponho que leia também O Herói de Mil Faces, de Joseph Campbell que pode ser adquirido, clicando aqui.
Então, gostaram da resenha? Contem-me o que acharam dela nos comentários desse post.
Aproveitem também para assistir a resenha em vídeo, é só clicar aqui.
Abraços e até a próxima postagem.

2 comentários:

  1. Fiquei muito emocionado com sua resenha, Fernando. Grato por todo apoio e por acreditar em minha história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Amigo!!!
      Estou superfeliz que tenha gostado!!!
      Abraços!!!

      Excluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!