Sejam bem-vindos(as) e sintam-se convidados(as) a participar do blog Filósofo dos Livros com sugestões, comentários, críticas, dúvidas, compartilhamentos ou só com um “oizinho” de vez em quando!

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Minha Vida de Menina, de Helena Morley, Companhia de Bolso


Olá, Galera!
Venho compartilhar um trecho bem interessante de uma obra brasileira:

Domingo, 4 de março 
Nós temos a mania de achar tudo que é de fora melhor do que o nosso. Doutor só tem valor vindo de fora. Rapaz, para as moças ficarem com influência, tem que vir de fora. O que é nosso não presta, só de outras terras é que é bom. Eu mesma pensava isso. Não vou mais pensar assim. O que é mau há de ser bom de agora em diante.
Luisinha quebrou um dente da frente e meu pai quis mandar consertar pelo dentista daqui. Ela não quis, dizendo que não acreditava que ele, com aquela mão aleijada, fizesse coisa bem-feita. Meu pai foi deixando e ela também não se importou de ficar sem o dente. Chegou a Diamantina um mulato muito entonado que se dizia bom dentista. Só vendo a empáfia do tal. Luisinha quis logo que ele lhe pusesse o dente. Meu pai chamou-o em casa e contratou com ele chumbar os dentes dela e pôr o da frente. O dentista pediu duzentos mil-réis e acabou deixando por cento e cinquenta.
Helena Morley
Chumbou os dentes e quando foi por o da frente puxou a caixa de fósforos do bolso, tirou um pedacinho de fósforo, fez uma pontinha e enfiou no dente e pôs também uma massa. Não achei aquilo direito e perguntei se com o fósforo o dente ficava seguro. Ele respondeu: "O que segura não é o fósforo, é a massa". Pôs o dente e Luisinha ficou radiante. Meu pai chegou da lavra, olhou, gostou e pagou ao demônio do dentista.
Quinta-feira fomos ao Jogo da Bola, onde havia um hóspede que tinha vindo do Curralinho votar na eleição e trouxe a mulher. Tia Agostinha pôs a mesa para o café com doce de figo e bolo. A tal mulher pôs um figo na boca e uma formiga das grandes atracou no beiço dela e ela ficou pelejando para arrancá-la. Eu cutuquei as outras e ficamos todas engolindo o riso, prontas para estourar. Por isso ficamos cladas. Quando estava a mesa naquele silêncio, ouvimos um batido no prato: tim-gui-lim! Luisinha espantada olha para todos e exclama: "Meu dente!" Nós estouramos no riso e Luizinha só faltou chorar.
O demônio do dentista, depois de roubar de muita gente mais, já foi embora para outro lugar. Luisinha, está agora segurando o dente com cera, quando quer ficar mais bonitinha.

Livro: Minha Vida de Menina, de Helena Morley, Companhia de Bolso.
Então, gostou? Adquira o seu exemplar, clicando aqui.
Abraços!

4 comentários:

  1. Engraçadinho esse trecho.
    Assim que comecei a ler, lembrei-me dos preconceitos literários. Tão ridículos!
    Ridículo né? Por que eu conheci, e até virei amiga de algumas pessoas que menosprezavam livros e até outros tipos de arte/trabalho brasileiros. Não entendo bem o porquê. Mas acho isso horrível, pois, a qualidade não está em nossa aparência, nacionalidade ou sei lá mais o que.
    Por isso as pessoas acabam entrando em furadas "de fora", precisamos valorizar mais a nossa cultura, o que é nosso.
    Aliás, precisamos parar de julgar tudo.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa sacada, Ana.
      Realmente, o início nos lembra dos preconceitos existentes até em relação à Literatura.
      Abraços!!!

      Excluir
  2. Olá Fernando! Estou doido para ler esse livro, já havia ouvido falar dele, e depois da sua indicação do filme que assisti de imediato, tenho urgência em ler o livro. E esse trecho? Dei risadas aqui, parece com os livros de causos sobre a profissão que lemos na faculdade.
    A autora escreveu isso no final do século retrasado e parece que as coisas não mudaram muito hein? Tudo que vem de fora parece ser melhor que as daqui.
    Sobre a profissão que ela relata tão bem, era assim mesmo, os precedimentos odontológicos eram feitos de modo artesanal, coisas incríveis e ao mesmo tempo estranhas demais, mas era o que eles tinham para não deixar a pessoa banguela. Hoje, a odontologia evoluiu de modo admirável e muitas das invenções e técnicas melhoradas surgiram aqui no nosso Brasil. E dá lhe Helena Morley kkkk de quem já me tornei fã. Pena que só escreveu esse livro, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, ela só escreveu essa obra. Acabei de publicar uma resenha em vídeo sobre o livro que pode ser vista nesse link: https://youtu.be/WfpG5NuDT4E
      Abraços!!!

      Excluir

Seu comentário é importante para mim.
Deixe sua opinião, pois vou amar saber o que você pensa!